Odisseia no Ensino Superior: Manual de Sobrevivência

Coordenadora do Master Psychology in Business and Economics na Faculdade de Ciências Humanas da UCP
14 Setembro 2018

Parabéns! Estás finalmente no Ensino Superior! O objetivo pelo qual lutaste tanto nos últimos anos foi atingido com sucesso. Mas, apesar do enorme orgulho e satisfação que tu, a tua família, e os teus amigos sentem neste momento, não estás completamente descansado/a… De repente, se achavas que todas as preocupações acabavam por teres atingido esta meta, estás de novo assoberbado/a por um conjunto de dúvidas e receios…

“E se agora que entrei no curso e instituição escolhidos, percebo que afinal não gosto? E se afinal não for assim tão bom aluno? E se os colegas não gostarem de mim? E se os professores forem tão exigientes que logo no primeiro semestre deixo todas as disciplinas por fazer? E se não for capaz de viver sozinho/a? E se………..?????”

Calma! O pânico não leva a lado nenhum, e a melhor forma de responder a todas as tuas dúvidas e anseios é a antecipação. Vamos então falar de algumas das principais mudanças pessoais, académicas e sociais que caracterizam esta tua nova fase de vida, e estratégias para melhor lidar com elas.

Mudança de residência

É possível que a entrada no Ensino Superior exija que mudes de cidade de residência, e saias da tua casa de família. Muito provavelmente será a tua primeira vez a viver sozinho/a, ou até mesmo a partilhar casa com um grupo de colegas até então desconhecido. Esta mudança traz consigo responsabilidades acrescidas. Qualquer que seja a tua situação, faz uma lista de dificuldades que antecipas nesta tua nova fase de vida e fala abertamente sobre elas com a família e os amigos, para que possas reunir apoio.

Gestão de um orçamento mensal

Provavelmente a partir de agora os teus pais vão dar-te uma mesada para gerires. Com ela terás de pagar a renda da casa, as contas de água, luz, gás, e internet, e também o supermercado e os transportes. Além disso, é preciso gerir ainda a compra das centenas de livros, sebentas, e fotocópias necessárias ao estudo. Ah! Não esquecer também os jantares, as festas académicas, as saídas à noite… Como é que é possível fazer o dinheiro esticar para tanta coisa?! Organiza um documento com as tuas despesas habituais semanais ou mensais para perceberes o que gastas, como gastas e, principalmente, onde podes poupar. Conta sempre com alguns imprevistos.

Realização de tarefas domésticas

De manhã os teus pais já não vão tirar-te da cama para assegurar que chegas às aulas a tempo, os lanchinhos da avó durante as tardes de estudo também acabaram, e o chegar a casa e ter o jantar na mesa definitivamente já não existe. E, finalmente, percebes que a casa também nunca se limpou e arrumou sozinha. Agora, estas e outras tarefas estão a teu cargo. Define um dia para te dedicares a elas. Usa, por exemplo, um dia do fim de semana para ires às compras, organizares as refeições para a semana, tratares da roupa, e também para dares uma limpeza geral na casa. Se as tarefas forem partilhadas com outros colegas de casa, elaborem em conjunto uma lista para saberem quem tem a responsabilidade de fazer o quê, e assim evitarem conflitos.

Sentimentos de solidão e saudades de casa

Estar fora do ambiente familiar, e sem o grupo de amigos habitual, pode levar a sentimentos de saudade, solidão e desenraizamento, que te fazem questionar se o objetivo de ter um curso superior justifica os sacrifícios. Organiza o teu tempo de modo a conseguires falar com regularidade com a família e os amigos (faz uso da tecnologia), e quando possível vai a casa passar uns dias. Mas, não te esqueças também de investir na criação de novas amizades no teu novo contexto.

Relação com novos colegas

É possível que quando chegues à tua IES (Insituição Ensino Superior), ou à tua nova turma, não conheças absolutamente ninguém. Nos primeiros dias vais apresentar-te a muitas pessoas, vais sentir que tens todos os olhos postos em ti, e que és um/a verdadeiro/a ET. Fugir a sete pés para casa é o que mais te vai apetecer. Mas, pensa que os teus colegas estão na mesma situação que tu. E pelo menos duas coisas vocês já têm em comum: o curso que escolheram e as dificuldades que estão a sentir nesta transição.

Presença e participação ativa nas aulas

Em muitas instituições de ensino superior a presença nas aulas não é obrigatória (pelo menos em aulas teóricas). Por isso, podes ter a tentação de prolongar a tua noite de sono até à hora de almoço. Mas, ir às aulas com regularidade, e participar ativamente, tem imensas vantagens: ter contacto com os docentes das disciplinas e seus estilos de ensino, ouvir uma primeira explicação da matéria e perceber o que é mais enfatizado, esclarecer dúvidas, conhecer os colegas e estabelecer laços de amizade e trabalho, distinguir a bibliografia fundamental da de aprofundamento…

Gestão de tempo

No ensino superior as disciplinas multiplicam-se e os professores também. São muitos livros, muitos diapositivos, muitas sebentas, muitos trabalhos… No final da primeira semana tens a sensação de que mesmo que deixasses de dormir durante os próximos seis meses, nunca irias conseguir aprender os conteúdos de todas as disciplinas. Gere bem o teu tempo. Arranja uma agenda onde anotas todos os compromissos pessoais, sociais e académicos. Faz uma planificação para cada semana, que inclua o horário académico, e todas as outras atividades onde gastas o teu tempo. Tem atenção aos “ladrões de tempo”, ou seja, a todas as atividades em que perdes tempo e que não produzem nada. E, evita procrastinar, pois se progredires no estudo um pouco todos os dias, vais ver que afinal não custa assim tanto.

Avaliação

Possivelmente vais ter avaliações escritas e orais, individuais e em grupo, várias vezes ao longo do semestre, ou apenas uma única vez, para cada uma das diferentes disciplinas que constituem o curso. Com frequência vais ouvir falar em avaliação contínua, exames complementares, exames de recurso, exames para finalistas… no início vai parecer uma confusão. Assim, pergunta a cada professor como é que os conhecimentos e competências da sua disciplina vão ser avaliados, em que momentos, se existe alguma nota mínima em cada elemento de avaliação, e o que acontece se não fores bem sucedido em algum deles. Anota tudo numa agenda para assegurar que não falhas nenhum prazo importante. E, principalmente, ajusta as tuas expectativas. Teres sido excelente aluno/a no ensino secundário não é garantia de sucesso no ensino superior.

Participação em atividades académicas e extra-académicas

Estar envolvido/a em atividades como o voluntariado, o teatro, o coro, ou o desporto, é fundamental para o teu bem-estar. Por muito que tenhas metas elevadas quanto aos resultados no ensino superior, não deves dedicar-te exclusivamente/excessivamente ao estudo. A tua vida deve ter um equilíbrio entre o tempo que dedicas ao estudo e o tempo que dedicas a outras atividades que te trazem sensações de prazer, satisfação e bem-estar.

Praxe

Polémicas à parte sobre este assunto, a primeira coisa a saber é que a praxe não é obrigatória. Deve ser uma atividade de integração, de conhecimento mútuo, de descontração e divertimento. Se não a sentes desta forma, se por algum motivo te sentes incomodado/a ou intimidado/a, não compareças. Cada vez mais as instituições de ensino superior estão a optar por “praxes solidárias”, nas quais além de contribuirem para a integração e socialização dos alunos, ainda ajudam em causas sociais. 

Espero que este texto te ajude a viver com maior segurança e tranquilidade a transição e adaptação ao ensino superior. Os primeiros meses podem ser difíceis, mas o segredo é nem ser demasiado otimista, nem demasiado pessimista. Os alunos mais realistas, aqueles que têm uma verdadeira noção dos desafios inerentes a esta fase da vida são os que melhor se preparam e, por conseguinte, os que melhor vivem as dificuldades inerentes aos desafios académicos.

Boa sorte!


DEIXA UM COMENTÁRIO