CTeSP atraíram mais 2500 alunos para o ensino superior

Inspiring Future
20 Outubro 2015

Mais de 2500 estudantes entraram no ensino superior nas últimas semanas para frequentar um dos novos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP), a formação de dois anos introduzida pelo Governo no sector. Trata-se de um crescimento de quase sete vezes da procura, face a um primeiro ano que arrancou a meio gás. Uma oferta alargada e maior divulgação junto dos alunos do secundário, nomeadamente do ensino profissional, ajudam a explicar crescimento.

 

No primeiro ano de actividade dos CTeSP apenas funcionaram 13 dos 92 cursos autorizados, tendo-se inscrito 379 alunos. Agora o panorama é bem diferente e estão inscritos, até ao momento, 2546 alunos nos chamados cursos curtos. Este número diz respeito apenas às instituições de ensino superior públicas onde existe esta oferta e pode ainda aumentar, nas próximas semanas, uma vez que há politécnicos onde o processo de inscrição dos alunos está ainda a decorrer.

Os CTeSP tiveram um arranque frouxo no ano passado, motivado sobretudo pelos atrasos na aprovação do funcionamento dos cursos por parte da DGES, o que levou a maior parte das instituições a deixar apenas para 2015-2016 a sua entrada em funcionamento. Este ano o processo de análise das propostas de novas formações começou mais cedo e, antes do Verão, a tutela já tinha dado luz verde às formações que as instituições pretendiam fazer arrancar.

As instituições ganharam assim tempo para fazerem uma maior divulgação da sua oferta. O caso de maior sucesso neste ano lectivo é o do Instituto Politécnico de Leiria, com 841 alunos inscritos em 29 cursos. Ou seja, cerca de um terço dos inscritos nos CTeSP de todo o país estão aqui. O presidente desta instituição, Nuno Mangas, acredita que o facto de ter sido criada na região uma rede de ensino profissional, junto da qual a instituição de ensino superior pode comunicar a sua oferta de cursos técnicos, foi importante para atrair maior procura.

Estes números, sublinha o mesmo responsável, significam um aumento de 6% na procura face aos anteriores cursos de especialização tecnológica – a anterior oferta técnica no ensino superior, que está a ser extinta. Esta evolução deve-se, para Nuno Mangas, ao facto de os novos cursos serem “mais actuais e atractivos”. O alargamento da oferta – no ano passado havia apenas três cursos Tesp em Leiria – teve também impacto nesta evolução.

No primeiro ano de funcionamento dos CTeSP, o Politécnico do Cávado e Ave tinha sido a única instituição a contrariar a tendência, tendo conseguido atrair praticamente metade dos 379 alunos inscritos em todo o país. Este ano, é a segunda instituição mais concorrida da rede pública, tendo visto entrar 353 novos alunos este ano lectivo. 

 

Propinas entre 500 e 940 euros

Na generalidade das instituições públicas, as propinas dos CTeSP cursos rondam os 600 euros anuais. Há apenas dois casos em que os valores são diferentes. Estão nessa situação o Politécnico da Guarda, onde a propina é a maias barata de todos os CTeSP, custando 500 euros anuais, e o Politécnico de Leiria, que tem o preço mais elevado, 940 euros anuais – valor que a instituição justifica com a “forte componente aplicada e laboratorial” das formações.

O aumento da procura “é um excelente sinal”, valoriza o vice-reitor da Universidade de Aveiro, Gonçalo Paiva Dias. O maior número de inscritos, “combinado com o grande interesse das empresas no acolhimento de estagiários destes cursos”, dão à instituição a “certeza que esta foi uma aposta certa”, observa.

 

O modelo de funcionamento dos CTeSP é diferente das licenciaturas. Os estudantes candidatam-se individualmente junto da instituição de ensino superior a que querem concorrer.

Como consequência, não existe informação centralizada acerca do número de candidatos ou inscritos. Por outro lado, nem todos os cursos com autorização de funcionamento vão, necessariamente, receber alunos. Formalmente, há 373 CTeSP em instituições públicas às quais a DGES deu autorização de abertura, mas só 158 têm alunos este ano. A estes juntam-se 117 cursos registados no sector privado. Somadas, estas formações têm lugar para mais de 15 mil estudantes. No entanto, as instituições têm optado por abrir apenas um conjunto mais limitado de cursos e, em alguns casos, acabam por abdicar do seu funcionamento quando não há procura suficiente.

O vice-reitor da Universidade de Aveiro acredita que o impacto destes cursos no país começará a sentir-se, a partir de Julho do próximo ano, quando os primeiros alunos estiverem diplomados, depois de concluídos os estágios nas empresas. Para o vice-presidente do Politécnico do Porto será, no entanto, necessário esperar um pouco mais para perceber as consequências desta nova oferta para o ensino superior. “No prazo de três anos, parece-nos que será possível fazer uma primeira avaliação mais séria sobre a sustentabilidade desta oferta formativa e sobre a possibilidade de os seus primeiros diplomados encontrarem empregos compatíveis com a sua formação”, defende António Marques.

 

Fonte: PÚBLICO


DEIXA UM COMENTÁRIO

Tens alguma dúvida?
Vamos ajudar-te a esclarecê-la!